“Todos nós podemos ser notáveis naquilo que temos de mais forte”

    PróximoAnterior

    “Todos nós podemos ser notáveis naquilo que temos de mais forte”

    Em um mundo pasteurizado, mas que já sinaliza uma valorização das diferenças, que sentido faz ensinar tudo a todos como se fossem um só e cobrá-los da mesma maneira? A problemática foi o ponto de partida para a educadora carioca Thereza Penna Firme, que protagonizou na tarde desta sexta-feira (21) uma das palestras mais aplaudidas da VXI edição do Congresso Internacional de Tecnologia na Educação. Sob o tema “A Teoria das Múltiplas Inteligências e sua Aplicação na Prática”, a mestra em Psicologia Educacional recomendou a exaltação às potencialidades individuais dos alunos como caminho a ser seguido pelos professores.

    A partir dos modelos de inteligência subdivididos pelo educador e psicólogo norte-americano Howard Gardner, a palestrante diagnosticou que, atualmente nas escolas, as crianças estão com talentos reprimidos. “Somos diferentes! Não podemos forçar para que elas [as crianças] tenham todas as qualidades. Se seguirmos assim, as habilidades que elas desenvolvem com naturalidade hoje não serão levadas adiante”, advertiu.

    Para Thereza, o caminho do êxito educacional passa por descobrir o ponto forte de cada aluno e exaltá-lo. “O ser humano precisa ter a oportunidade para que sua inteligência, sua principal habilidade seja reconhecida e trabalhada. A ideia de ser bom em tudo está ultrapassada. Todos nós podemos ser notáveis naquilo que temos de mais forte”, expôs a educadora, antes de elencar e explicar as oito potencialidades definidas por Gardner.

    Confira resumidamente:

    Inteligência lógico-matemática – aptidão para cálculos, raciocínio lógico, engenharia, resolução de problemas de forma prática;
    Inteligência linguístico-verbal – vocação para oratória, produção textual, atuações em campos linguísticos;
    Inteligência espacial – se apresenta em profissionais como arquitetos, designers, navegadores, pilotos e motoristas;
    Inteligência musical – pessoas com inclinação para música para além da audição;
    Inteligência cinestésica-corporal – atletas, bailarinos, profissionais que têm consciência do poder do gesto do corpo;
    Inteligência interpessoal – habilidade em ajudar pessoas, sabendo reconhecer a necessidade do outro, como voluntários e psicólogos;
    Inteligência intrapessoal – vocação para reflexão interna a fim de propor soluções, a exemplo de filósofos e psiquiatras;
    Inteligência naturalística – saber lidar com questões da natureza no âmbito de fauna, flora e biodiversidades. 

    PróximoAnterior